boletim O Leite
Digite seu email:


assinar


Central Minas Leite aposta na união de cooperativas

quinta-feira, 12 de agosto de 2010 - 10:12
Share |



A instabilidade dos preços pagos pelo leite tem incentivado a formação de cooperativas que visam reduzir os custos de produção e garantir a renda dos produtores. No Sul de Minas Gerais 23 cooperativas se uniram e formaram a Cooperativa Central Minas Leite e estão conseguindo ganho de escala por litro do leite em até 10%. O objetivo da união é realizar compras conjuntas de insumos para obter preços mais competitivos.
De acordo com o diretor superintendente da Minas Leite, José Américo Simões, a junção das atividades trouxe resultados positivos para os cooperados. A Minas Leite é formada pela união de 23 cooperativas mineiras e representa cerca de 12 mil produtores. A média de captação é de 1,8 milhão de litros de leite diários.
Para Simões, a união dos produtores é uma tendência mundial e uma das melhores fórmulas para geração de renda dos produtores. "Através da comercialização conjunta e da compra de insumos conseguimos reduzir os custos de produção e garantir uma receita entre 8% e 10% superior para o produtor cooperado, se comparado com a receita gerada para quem trabalha isolado", disse Simões.
Através da Minas Leite foi criada uma central de compras para abastecer as lojas das cooperativas associadas. Por ano, são vendidas 1 milhão de doses de vacina contra aftosa e 300 mil doses para combate à raiva bovina. A central adquire os produtos a preços 12% inferiores aos praticados no mercado.
Associação - Um dos planos da Minas Leite para 2010 é o projeto de formação de um megagrupo, através da união das operações da Cooperativa Central dos Produtores Rurais (CCPR) - detentora da marca Itambé -, da Centro Leite, de Goiás, da Confepar, do Paraná, e da Minas Leite. A Central Cooperativa Central Mineira de Laticínios (Cemil) desistiu do projeto há cerca de um mês devido à pequena participação que teria no novo empreendimento.
De acordo com o executivo, a ideia da unificação das operações das quatro cooperativas é aumentar o poder de negociação no que se refere à compra de insumos, além de possibilitar a redução dos custos. Simões afirmou que "esse tipo de união é uma tendência do setor alimentício e, em especial, do segmento de lácteos em todo o mundo".
A formação de grandes grupos é essencial para que os gestores ganhem poder de negociação e competitividade no mercado. Um fator importante que deve ser levado em conta por esses grupos é agregação de valor aos produtos.
Atualmente a Minas Leite apenas comercializa o produto in natura. Os principais compradores são a Danone, Nestlé e BRF Brasil Foods. Com a formação de cooperativas de grande porte, a expectativa é que ocorra maior equilíbrio de preços no setor, o que poderá impulsionar a renda dos produtores. Em relação a investimentos futuros, Simões classificou o cenário econômico como desfavorável devido aos baixos preços do leite em plena entressafra.
Preço - O preço do leite pago ao produtor em 2010 caiu mais uma vez em julho e a tendência é de que a queda continue pelos próximos meses. De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), a queda em julho (referente à produção entregue em junho) foi de 6,16% em relação ao mês anterior, para uma média de R$ 0,7242 por litro.
A situação é atípica, já que na entressafra o preço pago ao produtor tende a subir, devido ao aumento do custo da produção e a queda de produtividade das vacas, o que limita a oferta do produto no mercado.
De acordo com Simões, a redução dos valores também foi influenciada pelo crescimento da oferta no Rio Grande do Sul, que ficou 11,07% superior na média de captação entre maio e junho, e no Paraná, de 6,49%. No Estado gaúcho, o aumento atual foi o maior para o período desde 2006. Outro fator é o maior ingresso do leite uruguaio no mercado brasileiro.
"O setor lácteo precisa de políticas públicas que defendam o produtor brasileiro, favorecendo o fortalecimento das cooperativas e promovendo a estabilidade dos preços", enfatizou Simões
 

Fonte: Diário do Comércio  







.
adicionar comentário 

Título   Email
adicionar




cotações (máxima)
LeiteCru/RS *
1,01
LeiteCru/SC *
1,07
LeiteCru/BA *
1,11
LeiteCru/PR *
1,12
LeiteCru/SP *
1,12
LeiteCru/MG *
1,12
LeiteCru/GO *
1,14
Soja/PR
56,87
Soja/RS
56,91
Soja/SC
58,90
Milho/PR
21,25
Milho/SC
24,25
Milho/RS
24,67
 
1/9/2014

enquete
Denúncia de adulteração no leite de RS prejudicou muitos pecuaristas e desafia produtor a garantir qualidade.O que poderia ser feito para tranquilizar o consumidor?


votar


Copyright © 1999 - 2014 - Todos os direitos reservados. All rights reserved.  

O Leite é um veículo de propriedade do Grupo Agro e as empresas Tendências Representações Comerciais Ltda e GA-Agro Editora e Veiculações Ltda.
Endereço Av. Irmãos Picolli, 338 Cx. postal 43 CEP 89642-000 Tangará - SC, Telefone (49)3532.1408